Hacked by Mr.G4L4XY_!D | Preciso contratar uma agência?
22292
single,single-post,postid-22292,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,select-theme-ver-2.3,wpb-js-composer js-comp-ver-4.5.3,vc_responsive
2016-03-28

Preciso contratar uma agência?

Saber qual a melhor hora para contratar uma agência de publicidade pode não ser fácil. Por isso é preciso saber identificar os sintomas. A primeira questão é entender que a relação entre a marca e os publicitários está mais para casamento do que só algumas saidinhas, ou seja, é preciso um tempo para que o cliente e a agência se conheçam e, depois de alinharem suas expectativas, o trabalho fluir bem e juntos conseguirem construir uma marca duradoura. O ideal é que o trabalho seja contínuo, de longo prazo e estratégico. E mesmo que o cliente não queira, depois de um trabalho bem feito, é difícil não se apaixonar.

Pensando nisso, listamos alguns sintomas que evidenciam o momento certo para procurar uma agência. Confira:

 

1º sintoma: só grandes negócios precisam de agências.

É verdade que pequenas e médias empresas normalmente não têm um grande orçamento para marketing, o que torna a questão mais delicada e exige que as ações sejam certeiras, investindo só naquilo que realmente for dar resultado. Ou seja, quando bem montada, uma perspectiva e planejamento de marketing a longo prazo são fundamentais, independente do porte da empresa.

 

2º sintoma: ferramentas de marketing desatualizadas.

A velocidade em que as inovações surgem (interatividade, webgames, transmídia, entre outras) é surpreendente. Portanto, se a sua marca usa como propaganda apenas um site “cartão de visitas” com telefone e endereço, folhetos ou ainda anúncios nas páginas amarelas, está na hora de se atualizar.

A agência tem a função de ampliar a sua visão no mercado: criar uma campanha ou posicionamento moderno, utilizando ferramentas digitais (ou até mesmo offline, mas de uma forma inovadora) dando o devido destaque à marca.

 

3º sintoma: não sabe quem é seu público-alvo.

O desconhecimento sobre o público para qual você está falando é um ponto crítico nessa análise. Essa falta de informação deixa as ações de marketing totalmente às cegas e aumenta exponencialmente a chance de fracasso.

A capacidade de descrever o perfil dos clientes – seu estilo e ciclo de vida, preferências e influenciadores – direciona o posicionamento da marca e é chave para que sejam traçadas abordagens focadas, desde a embalagem certa até a estratégia mais agressivas.

 

4º sintoma: seus clientes não lembram da sua marca.

Já vimos que é essencial conhecer seu público-alvo muito bem, mas com certeza é ainda mais importante que ele se lembre da sua marca. Será que seus clientes se identificam com a proposta do seu produto ou serviço? Eles são capazes de enumerar diferenças entre sua marca e a concorrência?

Um dos pontos mais trabalhados pela agência é a identificação do consumidor com a empresa. Os profissionais direcionam os esforços para que o cliente veja a marca como uma extensão do seu dia a dia, dos seu hábitos, e que escolha seu produto/serviço pela sua proposta de valor, não simplesmente pelo preço. É a partir desse estágio que os resultados realmente começam a ser mais duradouros, quando a marca atinge a espontaneidade com seu público.

 

5º sintoma: concorrentes crescendo mais rápido que você.

Esse sintoma aparece quando você percebe que os novos concorrentes possuem uma parcela maior de mercado que a sua ou então que seus concorrentes mais antigos estão com uma atuação mais forte a cada dia. E o pior de tudo é que você não sabe muito bem quando e como isso aconteceu.

Muitos desses resultados são explicados por uma má gestão do marketing (ou a ausência dele). Um dos principais indícios é quando as vendas estão constantemente abaixo das previsões, mesmo com um produto de qualidade, entregas dentro do prazo e bom atendimento. Nessa hora, o papel de uma agência é conseguir identificar as oportunidades de mercado, analisar os pontos de paridade e diferenciação entre sua marca e seus concorrentes e traçar estratégias, levando sua empresa para uma posição mais favorável frente ao mercado.

 

6º sintoma: por mais que invista em marketing, os resultados no fim do mês não mudam.

Como em qualquer investimento, um dos indicadores mais importantes para avaliação da viabilidade de um projeto é o ROI (Retorno sobre o Investimento, em tradução livre) e em publicidade não seria diferente.

Sua empresa analisa os investimentos versus os resultados das campanhas? Um grande erro é não dar continuidade às ações após as campanhas. É preciso continuar, fazer um feedback, estudos dos métodos mais efetivos para cada objetivo e avaliação final. Dessa forma, as ações podem ser focadas no cliente e mais eficientes de modo geral.

 

7º sintoma: seu único público-alvo são os clientes.

Além dos clientes, há uma variedade de relacionamentos igualmente importante para as empresas. Os conhecidos stakeholders (fornecedores, colaboradores, terceirizados, revendas, parceiros e outros) também precisam de ações direcionadas, como eventos ou e-mail marketing, para que o relacionamento e a comunicação sejam devidamente trabalhados.

Esse esforço é justificado pela melhora no desempenho das organizações a partir do momento em que os stakeholders se sentem valorizados e fazem questão de ser parte do círculo. E aqui não estamos falando só de dar alguns descontos e pronto: o foco realmente é cultivar um relacionamento de longo prazo através do marketing.

 

8º sintoma: os responsáveis pela comunicação não se dedicam exclusivamente ao marketing.

É muito comum encontrarmos empresas que não dão o devido valor ao departamento de marketing, principalmente por não conhecerem todo seu potencial, deixando a responsabilidade para um funcionário que acumula diversas funções. Explorar tudo que o marketing oferece demanda tempo, esforços e profissionais (sim, no plural!). Por isso, os famosos brainstorms, reuniões e mais reuniões são feitas para dar origem às campanhas, além do pessoal especializado para colocar todas essas ideias em prática.

 

9º sintoma: você não sabe qual o melhor lugar para divulgar sua marca.

De que adianta criar a melhor campanha se não for para ser vista? Um detalhe importante: é preciso ter visibilidade com as pessoas certas.

O objetivo é falar com o público-alvo e, para isso, é preciso divulgar onde eles estão. Nessa situação diversos estudos são feitos, primeiro para listar as melhores mídias e, segundo, para decidir onde veicular cada ação, de acordo com o objetivo da campanha e perfil do público. A agência têm acesso a outras opções que permitem um maior refinamento, como por exemplo a compra de banco de dados específicos ou estratégias inbound, elaboradas exclusivamente para aproximar e facilitar o contato entre a empresa e seus stakeholders.

 

10º sintoma: você não tem presença na Internet.

Hoje em dia, se não está na rede, não existe.

O Marketing Digital é o campo que mais cresce na publicidade. E apostar nessas novas abordagens é uma oportunidade de ouro para as empresas que buscam se destacar, proporcionando uma experiência diferente para seus stakeholders conectados.

A internet pode ser utilizada apenas para divulgação da marca, mas esse não é o foco. O interessante é proporcionar meios para que os clientes interajam com a marca, aproximem seu relacionamento e forneçam mais informações para conhecê-los melhor, como por exemplo em blogs de conteúdo, redes sociais, e-commerce ou mesmo aplicativos.

Outro ponto importante é se tornar mais “encontrável” nos resultados orgânicos das pesquisas online. Hoje em dia, a primeira opção para qualquer pergunta é sempre procurar no Google, e você precisa estar lá quando for seu cliente quem estiver perguntando. E o mais importante: tem que estar no topo. E quem sabe te colocar lá? Muito bem, uma agência de publicidade.

 

Diagnóstico Final:

Se você sentiu mais de três sintomas listados: agende uma visita conosco, pois o caso é grave!

Indicações:

É necessário fazer exames regulares e estar sempre atento aos sintomas. Eles costumam aparecer quando você menos espera. Ao persistirem os sintomas, ligue pra gente. E atenção: a automedicação é contra indicada nesses casos.

 

Texto: Ana Laura Coffani